‘Ursos mais tristes da Europa’ são resgatados e correm na grama pela 1° vez

Ao longo dos últimos dias, barulhos de caixotes pesados chacoalhando agitaram um santuário de vida selvagem, próximo a Pristina, em Kosovo.

Quando os caixotes foram abertos, um casal de ursos que vivera prisioneiro por toda vida, deu seus primeiros passos em direção à grama verde de seu novo lar. Uma nova história se iniciava ali e logo um novo amigo se juntaria a eles nessa jornada.

Alguns dias após o resgate do casal, também chegou ao santuário o urso Pashuk. Irmão não apenas de espécie, mas de dor e sofrimento causados pela ganância humana.

Tomi e Gjina são conhecidos com “os ursos mais tristes da Europa. E já em sua nova casa, experimentaram coisas que nunca imaginaram.

Como a primeira experiência de Tomi em uma piscina.

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

E os primeiros passos de Gina em um espaço amplo e aberto.

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

No inicio, os ursos estavam muito desconfiados, principalmente Pashuk, e preferiam se manter distantes de todos. Acostumados com um vida de clausura, eles temiam deixar seus recintos e desfrutarem uma vida livre plena. Mas isso foi apenas uma questão de tempo, após alguns dias, os ursos deram uma chance para esse novo mundo que lhes era apresentado e logo fizeram muitos amigos e uma nova e grande família.

Não se pode culpar nenhum deles por levar as coisas com calma. Suas vidas inteiras foram em gaiolas, explorados em circos da Albânia. No último mês, a organização Four Paws, com a ajuda do governo da Albânia, os libertou de uma vida de correntes – uma vida em que o único propósito era entreter visitantes em espetáculos tristes.

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

“Todo o nosso time está radiante com o resgate de Tomi, Pashuk e Gijna, sabendo que eles terão os mais altos níveis de cuidado para o resto das suas vidas,” conta Claire LaFrance, diretora de comunicação da Four Paws ao The Dodo. “Eles nunca irão se apresentar novamente, ou serem forçados a comer e beber coisas inapropriadas, e o mais importante, eles estão livres do confinamento e isolamento de um cativeiro inadequado”, comemora.

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

A Albânia abriga ainda cerca de 50 ursos vivendo em condições degradantes, explorados em espetáculos circenses, muitas vezes vivendo de uma dieta exclusiva de cerveja e pão, nunca conhecendo a vida além das pesadas correntes.

“Temos a esperança de que, para todos os ursos adoecendo em pequenas prisões da Albânia, possamos ser capazes de dar a eles esse mesmo final feliz,” disse LaFrance.

Por enquanto, Tomi, Gjina e Pashuk, representam a primeira onda de ursos libertos na Albânia, desfrutando de 40 acres, espalhados pela região, e vivendo com outros ursos resgatados de apuros semelhantes.

Embora eles tenham um futuro, suas histórias de abuso deixaram marcas.

Gjina, por exemplo, pesa somente 63 kg – uma sombra dos 200 kg que um urso saudável deveria atingir na balança, de acordo com a Four Paws.

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Felizmente, no santuário, ela tem todo o espaço do mundo para crescer, não mais uma pequena cela de apenas 4 por 2 metros.

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

E Tomi, que vivia em uma cela de concreto rodeada por sanitários ao lado de um restaurante, está cuidando dos seus dentes gravemente danificados e de ferimentos na parte superior do seu corpo.

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

E então tem o recluso Pashuk, encontrado quase que estrangulado pelo colar de aço que cresceu usando, desde que ele era um filhote.

“Eu vi muitos ursos sofrendo, mas nunca tinha visto nada como isso,” Carsten Hertwig, especialista em ursos da Four Paws, relatou no começo deste mês. “A corrente estava tão profunda que a pele havia crescido por cima. Seus guardiões tinham colocado Pashuk em correntes quando ele era ainda pequeno, trancado-o em um abrigo e nunca removido a corrente desde então.”

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Contudo, quando Pashuk escolher deixar o seu recinto no santuário de ursos, as correntes já estarão muito distantes dele. E pela primeira vez em sua vida, ele estará entre amigos.

“A partir de agora, será dado a eles o cuidado que eles precisam em um ambiente apropriado, nada irá lhes faltar”, disse Thomas Petsch, especialista em animais selvagens da Four Paws em um comunicado enviado à imprensa.

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Foto: FOUR PAWS INTERNATIONAL

Enquanto estes ursos encontraram um caminho para um final feliz, muitos outros permanecem espalhados pela Albânia, sofrendo em silêncio. Eles precisam estar aqui. Você pode se juntar a esta luta assinando esta petição.

, , ,