Tatá Werneck conta como cuida dos 15 animais que adotou

Aos que não conhecem, vamos aqui às apresentações: Mãezoca, Palhaço, Gentil, Mussum, Jonas Bloch, Tufo, Caramba, Chaves, Taxi, Paz Luz Vida Nova, Steve Renders, Fabicha, Loiro, Peters e Delícia. Prazer, esses são os animais da Tatá Werneck.

É assim mesmo que a Fedora de Haja Coração batizou os seus animais domésticos. Das fofuras citadas acima, 13 gatos e dois cachorros têm o privilégio de conviver juntinho da tutora em sua casa, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Amante dos animais, mais que declarada, Tatá conta com a ajuda de algumas pessoas na hora de se organizar para cuidar da bicharada. “Tenho um caseiro que me ajuda em tudo e minha fiel escudeira, Dona Joelma. Mas eu quem cuido mais. Levo no veterinário etc.”, conta.

Tatá Werneck sempre posa com seus animais nas redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

Tatá Werneck sempre posa com seus animais nas redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

Por falar nisso, ajuda é o que faz a diferença na hora de cuidar de uma grande quantidade de animais. Para vacinar os animais, por exemplo, Tatá também contou com profissionais de uma clínica veterinária para manter todo o tratamento em dia. “Eles fazem o controle de tudo e me avisam.”

Alguns dos gatinhos da atriz (Foto: Arquivo Pessoal)

Alguns dos gatinhos da atriz
(Foto: Arquivo Pessoal)

A castração também é um assunto que tem a atenção da atriz. Ela apoia o procedimento: “Sou totalmente a favor. Existem milhares de gatos e cachorros abandonados diariamente pelas ruas. Sem cuidados, maltratados e loucos por um lar. Assim que eles chegam na idade que já pode castrar, eu castro. Depois eles ficam isolados durante o período de recuperação”. Isso também ajuda Tatá na hora de manter um “controle populacional” em casa. Hoje, ela se diz feliz com a quantidade de animais que possui e que não pretende adotar mais.

“Eu não tenho mais condições de adotar… Disse isso e, há dois meses, chegou mais um gato (risos). Mas não pretendo mais adotar porque sei que seria irresponsável. Eles são muito apaixonantes, mas temos que lembrar que vem junto a responsabilidade de saber que um animal precisa de muitos cuidados e atenção. E que serão muitos anos. Então, temos que pensar a longo prazo, encarar como mais um integrante da família”, diz Tatá.

Amor e luta pelos animais

Tatá revela que só há uma coisa maior que o amor dela pelos animais: “Esse amor incondicional deles. Essa troca de carinho sem julgamento. Essa alegria. Esse afeto incontestável”. E foi por conta desse amor sem limites que Tatá já se meteu em inúmeras enrascadas para salvar os animais de algum perigo.

Na foto, o cachorro Chaves e os gatinhos Jonas Bloch e Mãezoca (Foto: Arquivo Pessoal)

Na foto, o cachorro Chaves e os gatinhos Jonas Bloch e Mãezoca (Foto: Arquivo Pessoal)

“Já salvei gatinhos jogados em valas com a pata quebrada. Já parei o carro no meio da rua e entrei em uma comunidade pra salvar um cachorro que estava muito mal. Já subi em árvore, entre outros. Não posso ver animal sofrendo que me desespero”, revela.

Essa vontade de acolher animais também acabou trazendo problemas: “Vários. Existem pessoas muito cruéis com animais. Já tive vizinhos que ameaçaram meus gatos e um já foi até envenenado”.

Tatá dá de ombros para essas pessoas e pensa o seguinte: “Eu tenho uma péssima mania de não confiar em quem não gosta de animais porque não consigo entender alguém que não se rende a esse amor incondicional”.

Fonte: GShow

, , , ,