Humanos são “superpredadores” e matam até 14 vezes mais que animais carnívoros

Os animais selvagens, em especial os predadores, são vistos como criaturas potencialmente ameaçadoras, e há um grande esforço para estigmatizá-los com uma imagem de agressividade. Quando um animal ataca uma pessoa, ainda que a culpa seja inteiramente do ser humano que invadiu seu habitat ou, pior, explorou o animal até obrigá-lo a se defender, a mídia se apressa para torná-lo o vilão da história, como no caso recente das mulheres que se envolveram em um incidente com tigres em um zoo chinês.

Mas a realidade é que os verdadeiros predadores são, de longe, os humanos. Não é à toa que o ser humano mata 14 vezes mais animais que qualquer animal no topo da cadeia alimentar, e causam muito mais medo do que os grandes carnívoros.

O assassinato desproporcional de animais levou os cientistas a classificar os seres humanos como “superpredadores”, tão mortais que suas práticas tornam qualquer ecossistema insustentável. O termo se originou de um relatório publicado em 2015 pela revista Science, intitulado “A ecologia única de humanos predadores”.

Agora, um novo estudo da Werstern University em Ontário, Canadá sugere que os animais podem estar cientes do impacto que os seres humanos têm em seus ambientes, sentindo inclusive muito mais medo de pessoas do que de quaisquer outros predadores. O estudo analisou animais carnívoros e onívoros, cujas dietas consistem em 50 a 70% de carne, e testou o temor demonstrado pelos texugos europeus em reação aos seres humanos. Para os mesocarnívoros, os humanos são certamente “superpredadores”, matando 4,3 vezes mais por ano do que animais não-humanos.

O estudo foi realizado em Wytham Mata, uma floresta em Oxfordshire, Reino Unido, que é o lar de muitos texugos que vivem em tocas comunais conhecidos como setts. Embora seja ilegal para as pessoas para caçar texugos no Reino Unido, mais de 10% dos agricultores entrevistados em 2013 admitiu ter matado texugos no ano anterior, e um número estimado de 10.000 texugos são mortos para o esporte a cada ano no Reino Unido.

texugo2

Além de seres humanos, os cães (Canis lupus familiaris) são o principal predador de texugos britânicos, e a maioria dos agricultores que vivem perto da mata tutelam cães. Grandes carnívoros como lobos (Canis lupus) e ursos pardos (Ursus arctos) são conhecidos por caçar e matar texugos em outras partes do mundo, mas foram praticamente extintos na Grã-Bretanha.

Para saber como os texugos reagiriam a diferentes predadores, incluindo os seres humanos, os pesquisadores montaram câmaras de vídeo ativadas por movimento em torno de vários setts. No início da noite, os cientistas mitiram sons de ursos, lobos, cães, ovelhas e, finalmente, de seres humanos, capturando as reações dos texugos sobre as câmeras quando finalmente arriscavam sair para procurar comida.

Os pesquisadores descobriram que os sons de ursos e cães, apesar de causarem desconforto e medo, não impediram os texugos de sair de suas tocas. Sons de seres humanos, no entanto, desencorajaram por completo a saída dos animais. Ouvir vozes humanas também reduziu o tempo que alguns texugos passaram fora e aumentou consideravelmente a vigilância do grupo. Os resultados mostraram claramente o medo que os animais sentem dos seres humanos e o quanto o impacto humano afeta suas vidas.

Dra. Liana Zanette, uma dos autoras do estudo, explicou as graves implicações de sua pesquisa em um comunicado oficial. “Nossa pesquisa anterior mostrou que o medo de grandes carnívoros pode moldar ecossistemas. Estes novos resultados indicam que o medo de seres humanos, sendo pior, provavelmente tem impactos ainda maiores sobre o meio ambiente, o que significa que a humanidade pode estar distorcendo os processos de equilíbrio natural ainda mais do que se imaginava,” afirmou.

Estes resultados têm implicações importantes para a conservação, manejo de fauna e políticas públicas. O medo de ser morto por um predador torna a presa mais cautelosa, impedindo os animais até mesmo de se alimentarem corretamente.
Alguns se perguntam se o medo de seres humanos poderia substituir o medo de grandes carnívoros, mas o estudo de Zanette mostra que o medo de seres humanos afetaa o comportamento animal de uma forma muito diferente do que o medo de outros predadores faz. Embora não seja totalmente compreendido como essas diferenças irão moldar os ecossistemas, os “superpredadores” humanos jamais serão integrados ao habitat, pois a matança indiscriminada de animais e desrespeito aos seus direitos apenas destrói o equilíbrio natural do planeta.

Fonte: Anda

, , , ,