Filhotes de arara são resgatados após abandono em ponto de ônibus

Dois filhotes de araras-canindé foram resgatados pela Guarda Metropolitana de Palmas, após serem abandonados em uma caixa de papelão, em um dos pontos de ônibus da cidade. A corporação foi acionada por uma moradora da capital na última sexta-feira (7).

De acordo com a Secretaria de Comunicação do Estado, os animais foram levados para o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins). Exames preliminares mostraram que eles aparentemente não apresentavam problemas de saúde, mas precisavam ser alimentados e hidratados.

Os animais estão em estado de observação e devem ser encaminhados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) em Araguaína, onde poderão ser acolhidos por outros bandos em reabilitação.

Tráfico e abandono
Conforme a Secom, a espécie de nome científico ara ararauna, também é conhecida como arara-de-barriga-amarela, arari, arara-amarela, araraí, canindé e considerada uma das mais conhecidas representantes do gênero ara.

Segundo a Secom, há registros que apontam que o período de reprodução desse animal acontece entre agosto e janeiro, época na qual aumenta a ocorrência de ações típicas do tráfico de animais. De acordo com a bióloga da Supervisão de Fauna do Naturatins, Luciana Costa, muitas pessoas pegam a espécie para criar, mas ao perceber a dificuldade, desistem.

“Apesar de possuir animais silvestres sem uma licença ser crime ambiental, alguns se aventuram por essa ser uma ave muito atraente por sua beleza. O cidadão só desiste quando percebe que não é fácil de ser criada, pois além de ser necessário possuir um o animal licenciado com origem de criatórios legais, é uma espécie muito barulhenta, que exige uma alimentação especial, muitos cuidados e atenção até atingir uma idade adulta, além de bastante espaço”, explicou.

Divulgação

Divulgação

Resgate
O Naturatins disponibiliza o canal Linha Verde, por meio do telefone 0800 63-1155, para que qualquer cidadão solicite o resgate de animais silvestres, a ligação é gratuita. A entrega voluntária não incide em multa ou penalidade, mas se a pessoa for pega em flagrante sem a devida licença, a multa pode variar entre R$ 500 a R$ 5 mil, com a condução do infrator a uma unidade de polícia para registro e o recolhimento do animal.

Fonte: G1

, , , , ,