Cachorra dá lição de vida após ser baleada dezenas de vezes

“Minha amiga disse: ‘Desacelere. Eu quero lhe dar um pouco de água”, contou Andari, um voluntário da organização de proteção animal Animals Lebanon.

Quando Andari desacelerou o carro, elas observaram que havia algo muito errado com o filhote de dois meses.

“Vimos um buraco na cabeça dela. Paramos e caminhamos até ela. Ela estava com um pouco de medo, mas nós a chamamos e ela veio abanando seu rabo. Ela se aproximou de nós, mas lentamente, e lhe demos um pouco de água”, disse.

Enquanto a cachorrinha bebia, as mulheres conversavam com um homem do local. “Perguntei a ele: ‘O que aconteceu com ela?’ Ele me disse que não sabia, disse: ‘Talvez um cão a atacou”, acrescentou Andari.

Porém, Andari não acreditava que um ataque de cachorro fosse responsável pela ferida na cabeça da cachorrinha. Independentemente do que tenha acontecido, estava claro que ela precisava de ajuda e rápido.

Andari e sua amiga a levaram para uma clínica veterinária em Beirute.

Raio-X da cachorra

Foto: Animals Lebanon

Quando o veterinário fez raios-X do filhote, eles descobriram a terrível verdade sobre o que aconteceu com ela:  alguém a baleou. Não apenas uma vez, mas dezenas de vezes.

“Havia tantas pelotas. Pensamos que um grupo de adolescentes se ‘divertiu’ atirando nela”, afirmou Andari ao The Dodo.

Infelizmente, essa crueldade contra cães é comum no Líbano e os animais também costumam ser envenenados no país.

O veterinário decidiu não remover as pelotas, pois eram superficiais, e isso poderia causar mais prejuízos do que um resultado positivo. Mas a cachorrinha precisava receber antibióticos e suas feridas tinham que ser regularmente limpas.

Ela foi chamada de Bondok e foi baleada em um olho, o que a deixou cega. Além disso, ela também tinha um caso ruim de parvovírus, uma doença viral que pode ser mortal caso não seja  tratada.

“Ele [o veterinário] nos disse que havia apenas 25% de chances de que ela sobrevivesse”, disse Andari.

Cachorra em recuperação

Foto: Animals Lebanon

Apesar do prognóstico sombrio, Andari recusou-se a deixar de ter esperança em Bondok. “Ela tem um apetite pela vida. Ela queria viver, acredito nisso”, enfatizou.

Bondok ficou em condições críticas durante quatro dias, mas conseguiu sobreviver. Depois de passar uma semana no veterinário, Bondok foi deixada sob os cuidados de Andari.

“Ela é hiperativa. Sempre quer brincar, brinca com dois cachorros pequenos e os cães às vezes se irritam porque ela tem muita energia. Essa cachorra é inacreditável”, concluiu.

O Animals Lebanon está  à procura de uma família muito especial para Bondok – e seus tutores podem morar fora do Líbano, explicou Andari.

Fonte: Anda

, , ,