Araras resgatadas feridas treinam em ‘academia’ para voltar a voar

O Centro de Recuperação de Animais Silvestre, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Goiânia, tem uma verdadeira “academia de musculação” para que araras-canindé, resgatadas feridas, consigam voltar a voar. Segundo o órgão, na última década, mais de 350 mil animais foram recuperados e devolvidos à natureza.

Quando chegam ao local, as araras recebem os atendimentos veterinários que precisam. Quando estão com a saúde restabelecida, elas são levadas para um recinto chamado de “Corredor de Voo”, onde são submetidas a alguns exercícios para que fortaleçam as asas e consigam voar novamente.

Uma parte do treinamento consiste em colocar o animal em um pedaço de madeira ou mesmo na mão e fazer movimentos para cima e para baixo, que fazem com que as araras abram as asas e fiquem em posição de voo.

“Esses movimentos auxiliam na musculatura peitoral delas, que é responsável pelo movimento da asa. Como elas ficam em cativeiro sem voar, esse músculo se atrofia. Então, esse movimento de subir e descer a arara força com que ela se equilibre e ao mesmo tempo ela tente parar essa queda. Isso força o músculo peitoral, então é basicamente um halterofilismo para araras”, explicou o coordenador do Cetas, Luís Alfredo Baptista.

Segundo ele, aos poucos, os animais vão recuperando a força nos músculos e também a confiança. Assim, voltam a voar.“Basicamente temos aqui uma academia para as araras. Se for em um circuito de crossfit elas estão de parabéns”, disse.

Fonte: G1

, , , ,