Veterinários falam de cuidados com animais domésticos no calor

Os últimos dias foram os mais quentes do ano em Dourados (MS), a 225 quilômetros de Campo grande. Se fica difícil para os seres humanos suportarem tanto calor, imagina para os animais domésticos, que além dos pelos têm o corpo mais quente.

Os animais acabam sofrendo mais que os seres humanos. Na casa da caixa Luciana Bertotto que três animais, o que não falta é uma água geladinha para eles.

A gatinha se chama Mia e os cachorros Dalila e Quick vivem em uma uma mordomia só. Além desse cuidado com a água, a tutora deixa a galerinha dormir no mesmo quarto que ela, mas é por um bom motivo, por conta do ar condicionado no cômodo.

Para os animais, a sensação térmica aumenta em 2ºC em comparação com os humanos. Além disso, raças que tem o focinho menor, com a Dalila, que é uma yorkshire, podem ter ainda mais problemas, segundo explica o médico veterinário Bruno Alves Lopes.

Intensificar o banho e a tosa é uma das principais recomendações neste período. Na clínica da médica veterinária Bárbara Semeghini, o número de animais que vêm para o banho aumentou na última semana. Além disso, ela explica que se o animal estiver ofegante nesta época é bom prestar atenção, mas sem desespero.

Outra dica importante dada pelos profissionais que cuidam da saúde do animais é evitar os horário em que o sol está mais quente para levá-los para passear.

Fonte: G1

, , ,